Princípios da Agilidade: Maximizando a Entrega de Valor

Princípios da Agilidade: Maximizando a Entrega de Valor

Uma das coisas que me convenceram a adotar práticas ágeis foi essa história.

Quadras, Quadras e Superquadras

Eu moro em Brasília. Aqui, os prédios são agrupados em superquadras, que são como grandes quarteirões (quadras ou blocos, sei lá como você chama na sua cidade). Mas a diferença é que as superquadras só recebem transito local. Muitas dessas superquadras possuem quadras de esporte. Onde eu moro tem um quadra de futebol e basquete.

Superquadra e quadra poliesportiva

Há alguns anos, o governo fez reformas em várias dessas quadras de esporte. E fizeram desse jeito: primeiro veio um grupo e destruiu tudo: grades, gols, tabelas, piso, tudo foi destruído e levado embora. Depois de algumas semanas veio outra equipe e construiu o piso. Mais umas semanas e outra equipe refez as grades, gols e tabelas, Por último, e depois de mais um tempo, outra equipe veio pintar a quadra. Quadra pronta e entregue para uso.

Essa galera trabalha mais ou menos como eu trabalhava na época. Desenvolvia um pedaço de software. Colocava numa fila. E ele ficava lá dormindo, esperando outra equipe vagar para trabalhar nele (testar, por exemplo). E ele ficava parado de novo, esperando. E nesse ciclo de trabalha-espera-trabalha-espera-…, a gente  demorava um tempão para colocar na produção.

Nos dois casos, o tempo até gerar valor para o usuário era muito maior do que seria realmente necessário.

E tem como mudar isso?

A agilidade trata isso limitando o número de coisas que fazemos ao mesmo tempo.

Scrum vai te falar para criar uma equipe de reforma multi-disciplinar, que pudesse pegar, por exemplo, só uma quadra e reformar tudo em uma ou duas semanas (sprint). Poderiam ser formadas várias equipe multi-disciplinares para trabalhar em mais de uma quadra ao mesmo tempo.

O Kanban trataria isso limitando o número de quadras que cada equipe trabalha ao mesmo tempo. Por exemplo, no máximo uma quadra por equipe ao mesmo tempo. Dessa forma, quando a primeira equipe (aquela da destruição) terminasse, outra já entraria no dia seguinte para começar sua parte e assim por diante. Ao mesmo tempo, a primeira equipe (da destruição) entraria na segunda quadra.

Em ambos os casos, o valor gerado por cada quadra esportiva é maximizado. Antes da reforma começar, a quadra gerava valor. Mesmo estando um pouco estragada, as pessoas podiam usar. Mas no momento que é destruída, ela deixa de gerar valor e só volta a gerar valor depois de pronta.

No desenvolvimento de software é a mesma coisa, quando sua equipe se compromete com um trabalho, ele é uma quadra quebrada. Você criou a expectativa no cliente, Código que não está em produção é um quadra quebrada. Só quando você coloca em produção, você tem uma quadra nova.

Quanto mais código parado em desenvolvimento, esperando entrar em produção, mais quadras quebradas você tem.

O pessoal até criou uma frase para nos lembrar disso: Pare de começar e comece a terminar.

Curta e compartilhe este artigo.

Seu comentário aqui

%d blogueiros gostam disto: